Header Ads

Prefeitos podem limpar barra de concursados sob fraude; veja como

Quadrilha foi presa na Paraíba e seus integrantes são acusados de falsificação de concursos

Material apreendido com os suspeitos (Foto: Da Net)
Mesmo com todo empenho da Polícia Civil em prender a quadrilha especializada em fraudar concursos públicos, os clientes desta organização criminosa podem conseguir escapar da punição e continuarem trabalhando em seus cargos públicos caso os prefeitos não façam sua parte.

Segundo o advogado Arthur Navarro, especialista em Direito Administrativo, a demissão dessas pessoas só pode acontecer por meio do procedimento administrativo disciplinar (PAD). "A investigação feita pela polícia vai aplicar penas para os crimes cometidos, mas não pode determinar a demissão. Se a população não cobrar e o prefeito não se mover para instaurar o PAD, essas pessoas continuarão com o vínculo de servidor público", explicou.

As prisões aconteceram na manhã do último domingo (7) em um condomínio de luxo no bairro do Cabo Branco, Zona Leste de João Pessoa. Ao todo, 12 pessoas foram presas. Além das prisões, sete carros pertencentes aos suspeitos foram apreendidos. Em Natal, no Rio Grande do Norte, outras cinco pessoas foram presas também suspeitas de participação na quadrilha.

Segundo o delegado Lucas Sá, responsável pelo caso, entre os 40 clientes suspeitos já identificados pela polícia, cinco chamaram a atenção do delegado Lucas Sá, pelo perfil social. São membros de famílias tradicionais de João Pessoa, que tiveram acesso aos melhores sistemas de ensino.

"Isso realmente nos impressiona, porque são pessoas que tinham condições de ser aprovadas por mérito, dadas as condições econômicas e o acesso ao ensino de qualidade. Mesmo assim, preferiram o caminho mais curto de ser aprovados com fraude", disse.

Segundo o delegado, a maioria dos candidatos que compraram os serviços criminosos é de pessoas com bom poder aquisitivo. "O valor cobrado pela organização não era baixo. Não era para qualquer um", acrescentou Sá.

Do Portal Correio

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.