Header Ads

EM LONDRES! Polícia afirma que 58 residentes da Grenfell Tower estão mortos

De acordo com autoridades, não há chances de que moradores desaparecidos estejam vivos

Foto do incêndio (Imagem: O Globo)
A Polícia Metropolitana de Londres, no Reino Unido, afirmou, em entrevista coletiva neste sábado, que há 58 moradores da Grenfell Tower desaparecidos e não há mais chances de que sejam encontrados com vida. O prédio residencial de 24 andares foi tomado por um trágico incêndio na madrugada da última quarta-feira.

"Infelizmente neste momento, há 58 pessoas que nós sabemos que estavam na Grenfell Tower naquela noite e estão desaparecidas, então preciso assumir que elas estejam mortas", afirmou o comandante Stuart Cundy. Ainda de acordo com ele, esse número pode sofrer alterações. O último balanço informava que o número de mortes chegava a 30.

Diante da difícil metodologia de reconhecimento de corpos, que usa registros genéticos e impressões digitais, Cundy afirmou que o processo pode levar semanas. O número de vítimas poderia chegar a cem devido às dezenas de desparecidos, segundo o jornal “Independent”.

Entre os 74 feridos, 30 ainda estão em seis hospitais, 15 deles em estado crítico. O incêndio, que autoridades imaginam ter começado no quarto andar, rapidamente se espalhou, chegando aos pisos superiores. Muitos acordaram com o cheiro de plástico e com os gritos de socorro, não por alarmes de incêndio. Segundo a mídia, a torre não estava equipada com um sistema interligado de alarmes.

Seis entre os mortos já foram identificados, mas apenas dois nomes foram divulgados: Mohammed Alhajali, refugiado sírio de 23 anos, e Khadija Saye, fotógrafa de 24 anos.

Na sexta-feira, o comandante da polícia, Stuart Cundy, já havia dito que há "um risco de que, infelizmente, não consigamos identificar todos".

A rainha Elizabeth II e o príncipe William visitaram na sexta-feira o local do incêndio e os centros voluntários de apoio montados para as vítimas. Neste sábado, em sua mensagem oficial de aniversário, a monarca destacou a resiliência do povo britânico frente às recentes tragédias — o incêndio e o ataque a bomba no show da cantora Ariana Grande, em Manchester, no mês passado — e lamentou o "humor sombrio" que inevitavelmente tomou conta do Reino Unido.

A primeira-ministra britânica Theresa May também se encontrou com os feridos hospitalizados.

PRÉDIO SEM EQUIPAMENTO

O incêndio, que autoridades imaginam ter começado no quarto andar, rapidamente se espalhou, chegando aos pisos superiores. Muitos acordaram com o cheiro de plástico e com os gritos de socorro, não por alarmes de incêndio. Segundo a mídia, a torre não estava equipada com um sistema interligado de alarmes.

Cerca de 800 pessoas, a maioria imigrantes muito humildes, vivia na Grenfell Tower, construída em 1974 em meio a um bairro do rico distrito de Kensington e Chelsea, a pouca distância do bairro boêmio e animado de Notting Hill.

Ainda não se sabe a causa do incêndio. Sabe-se, no entanto, que o edifício passou por uma recente reforma que incluiu a instalação de um novos revestimento externo e sistema de aquecimento central. O custo da obra, concluída em maio de 2016, foi de 9,7 milhões de libras.

De O Globo

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.