Header Ads

Temer lota a agenda com parlamentares no dia em que sua denúncia começa a tramitar

Defesa do presidente quer derrubar acusação neste semestre, antes do recesso

Temer começa articular para não cair (Foto: Da Net)
No dia em que começa a tramitar denúncia por corrupção passiva contra Michel Temer na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), o peemedebista lotou a agenda com pelo menos 22 parlamentares. Nesta terça-feira, dos 16 deputados confirmados para reuniões no Palácio do Planalto, oito não responderam à enquete do GLOBO e dois se disseram indecisos.

Nesta terça-feira, começa a tramitação da denúncia na CCJ da Câmara e será escolhido um relator. No dia seguinte, a defesa do presidente deve se manifestar à comissão e tentar encurtar as dez sessões a que tem direito. O objetivo é derrubar a denúncia ainda neste semestre.

O líder do governo no Congresso, deputado André Moura (PSC-SE), admitiu ontem que a prisão do ex-ministro Geddel Vieira Lima trará maior "instabilidade política" e será explorada pela oposição, mas confirmou o calendário do governo - revelado pelo O GLOBO - de votar a denúncia contra o presidente Michel Temer na Comissão de Constituição da Câmara no dia 13 (quinta-feira

Ontem, o deputado Jorge Tadeu Mudalen (DEM-SP) visitou Temer.

- Temer está muito bem. Fui dar um abraço de solidariedade - disse Mudalen.

Entre os aliados, a ideia era votar na CCJ inicialmente no dia 12, mas o advogado Antônio Cláudio Mariz de Oliveira pediu a Temer mais uma dia para apresentar a defesa, o que fará nesta quarta-feira.

No cenário ideal, o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), poderia marcar para sexta-feira (14) a votação em plenário. Mas poderá ficar para a semana do dia de 18, que pelas regras é a data de início do recesso, oficial ou extraoficial. O problema de deixar para a semana seguinte é que os parlamentares já contavam deixar Brasília no dia 15.

- A maioria dos deputados da base aliada tem assumido o compromisso de que rejeitará a denúncia. Não estou dizendo que toda a base vai votar contra a denúncia, mas há a certeza de que hoje temos a maioria e os votos suficientes para poder rejeitá-la na CCJ - disse o líder.

Para ele, os parlamentares devem pensar "no país" neste momento e não no período pré-eleitoral.

De O Globo

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.