Header Ads

Trump: EUA poderiam conduzir ação militar na Venezuela

Governo americano chama Maduro de ditador e já congelou todos os ativos do presidente


        Presidente dos EUA, Donald Trump, em entrevista coletiva no seu clube de golfe em Nova Jersey (Foto: O Globo)
O presidente dos EUA, Donald Trump, disse que os Estados Unidos poderiam conduzir uma ação militar na Venezuela. A declaração veio em em entrevista coletiva no seu clube de golfe em Nova Jersey. Acusando o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, de ditador, o Tesouro dos EUA congelou em 1º de agosto todos os seus ativos nos Estados Unidos, numa resposta hostil à formação de uma Assembleia Nacional Constituinte pelo mandatário no meio de uma guerra política.

— As pessoas estão sofrendo e morrendo. Nós temos muitas opções para a Venezuela, incluindo a opção militar se necessário — disse Trump, em referência à grave crise sócio-econômica, que inclui a escassez de alimentos e uma das maiores inflações do mundo, no país sul-americano. — A opção militar é algo que poderiamos buscar.

Após a declaração de Trump, o Pentágono disse nesta sexta-feira que não recebeu ordens sobre a Venezuela:

— O Pentágono não recebeu ordens — disse o porta-voz do Pentágono, Eric Pahon.

Mais tarde, em reação, o ministro da Defesa da Venezuela disse que a declaração de Trump é um "ato de loucura". Por sua vez, o ministro de Comunicação, Ernesto Villegas, disse que a "gravíssima declaração de Trump" é uma ameaça inédita à soberania nacional.

As medidas punitivas contra Maduro vieram após a instalação de uma Assembleia Constituinte pelo líder chavista, que é qualificada de fraude pela oposição venezuelana. 
O órgão de suprapoder — cujos 545 membros são aliados de Maduro, uma vez que a oposição não quis participar da eleição para o órgão — deverá reescrever a Carta Magna da Venezuela, elaborada no governo do ex-presidente Hugo Chávez, e já obteve o poder para se sobrepor a qualquer poder público do país. Segundo os críticos do governo, esta é uma manobra do oficialismo para concentrar ainda mais poder e, eventualmente, dissolver o Parlamento, que é controlado pela oposição.

A Constituinte regirá o país com poderes absolutos por pelo menos dois anos, além do mandato de Maduro que acaba em janeiro de 2019, apesar da toda a reprovação expressada por opositores, população e comunidade internacional contra o órgão. O mandatário assegurou que trará paz após quatro meses de protestos da oposição, que deixaram 125 mortos devido à repressão das forças de segurança estatais.

Washington impôs sanções semelhantes a cerca de vinte funcionários e ex-colaboradores do governo venezuelano, em retaliação à instalação da Constituinte. No entanto, uma intervenção militar seria uma resposta extraordinária à escalada de tensões no país de Maduro.

Na quinta-feira, Maduro, que se vê sob forte pressão internacional, ordenou a seu chanceler que acerte uma conversa pessoal com Trump. Ele acusa o governo americano de "interferência imperialista" no seu país.

— Inicie gestões, chanceler, para que eu tenha uma conversa pessoal com Donald Trump, inicie gestões para termos uma conversa telefônica com Donald Trump — disse Maduro ao ministro das Relações Exteriores, Jorge Arreaza, em um discurso à Constituinte.

O presidente também determinou que Arreaza organize uma reunião com Trump, se possível, por ocasião de sua viagem à Nova York para a Assembleia Geral das Nações Unidas, no próximo dia 20 de setembro.

— Se ele está tão interessado na Venezuela, eu aqui estou, aqui está o chefe do seu interesse, aqui está a minha mão — disse Maduro.

De O Globo

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.