Header Ads

Bebê de 4 meses diagnosticada com DST após abuso sexual irá para abrigo

Segundo o diretor clínico do hospital e pediatra Lauro Schoenberg Filho, a criança respondeu bem ao tratamento

Criança teria sido abusada (Foto: Da Net)
Internada há uma semana no Hospital da Criança João Vargas de Oliveira, em Ponta Grossa, no Paraná, a bebê de quatro meses disgnoticada com tricomoníase, uma doença sexualmente transmissível (DST), deverá ter alta na próxima terça-feira. Segundo a Polícia Civil, não havia sinais de violência física na região íntima do bebê, mas foi coletado sêmem na vagina dela.

Segundo o diretor clínico do hospital e pediatra Lauro Schoenberg Filho, a criança respondeu bem ao tratamento.

Aprovada no pacote de mudanças eleitorais discutido pelo Congresso Nacional, a emenda exige que os provedores de aplicativos e redes sociais sejam obrigados a suspender a publicação quando for denunciada por ter informação falsa ou discurso de ódio até que o autor seja identificado. Se confirmado que se trata de um usuário real, a publicação será liberada.

O tema provocou reação de entidades da área de comunicação. Nesta quinta (5), a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), a Associação Nacional de Editores de Revistas (Aner) e a Associação Nacional de Jornais (ANJ) divulgaram nota conjunta classificando como "censura" a emenda de autoria de Áureo.

Conforme as entidades, somente por meio de decisão judicial é possível retirar do ar informações ou opiniões, seguindo a previsão do Marco Civil da Internet.

— Ela passa muito bem. Recebeu a medicação necessária e a infecção já está controlada. Apenas estamos esperando a decisão da Vara da Infância e Juventude para a liberação — , disse.

Schoenberg esclareceu que a bebê será encaminhada para o abrigo Pequeno Anjo, também em Ponta Grossa, até que seja decidido se ficará sob os cuidados da avó materna ou de uma tia.

De acordo com a delegada Ana Paula Cunha de Carvalho, do Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria), as investigações giram em torno de três suspeitos: o irmão da garota, de 13 anos; o pai da criança, de 42 anos; e ainda o pai de outra irmã da vítima. Todos já foram ouvidos e se dispuseram a oferecer material genético para comparação. As amostras já foram coletadas e encaminhadas para o IML de Curitiba.

O crime passou a ser investigado quando a mãe, de 29 anos, foi à delegacia e mostrou uma foto da região íntima da menina, que apresentava uma secreção incomum. A foto havia sido tirada quatro dias antes da procura por ajuda. Após a denúncia, no dia 28 de setembro, o bebê foi imediatamente encaminhado para o hospital. A suspeita inicial era de infecção urinária, mas a bateria de exames constatou a doença sexualmente transmissível.

A mãe foi levada à delegacia para formalizar o boletim de ocorrência no dia 29 de setembro e acabou presa porque havia contra ela um mandado de prisão por assalto a mão armada, cometido em 2015. Em depoimento, a avó materna confirmou que a mãe é usuária de drogas e que a casa é frequentada por muitas pessoas, segundo a polícia.

Segundo a delegada, a mãe estava nervosa no primeiro depoimento à polícia e foi muito evasiva nas respostas. Ela será ouvida novamente na segunda-feira.

— Ela afirmou que queria encontrar o culpado pelo crime, mas ao mesmo tempo não nos passou todas as informações que nos ajudariam a solucionar esse caso. Ela disse inclusive que não era mais usuária de drogas, o que foi desmentido por todas as testemunhas que ouvimos - afirmou.

Do Extra

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.