Header Ads

Histórico! Federer vence e volta a ser o nº1 do mundo: "Significa muito pra mim"

Suíço bate holandês Robin Haase de virada por 2 a 1 e vai retomar primeira posição do ranking após cinco anos e sete meses, um recorde no tênis

Roger Federer (Foto: G1)
A vitória de Roger Federer sobre Robin Haase (42º do ranking) nesta sexta-feira, no ATP de Roterdã, poderia ser apenas mais uma das 1.142 que o suíço já conquistou em sua carreira. Porém, ao bater o holandês por 2 sets a 1, parciais de 4/6, 6/1 e 6/1, em 1h18 de jogo, Federer fez com que esse dia seja recordado para sempre na história do tênis. Com os 180 pontos somados por chegar à semifinal do torneio, ele estará, na próxima segunda-feira, de volta ao posto de número 1 do mundo.

Foram cinco anos e três meses desde a última vez que Federer ocupou a primeira posição do ranking da ATP. Jamais um tenista na história tinha conseguido recuperar o topo após tanto tempo. Outro recorde é o intervalo entre a primeira vez que o suíço foi número 1, em fevereiro de 2004, e a última, que será no mesmo mês, em 2018, totalizando 14 anos. O "melhor de todos os tempos" ainda se tornará o jogador mais velho a ocupar o posto, aos 36 anos e 170 dias, superando o americano Andre Agassi, com 33 anos e 131 dias.

 Significa muito pra mim voltar a ser número 1 em Roterdã, porque foi Roterdã que abriu as portas pra mim pela primeira vez, quando eu ainda estava no Juvenil. Você vai jogando tênis e quando começa a jogar bem, passa a sonhar com o topo do ranking. E chegar a essa posição pela segunda vez, mais velho, é uma sensação incrível - declarou o suíço, após a partida.

Para coroar o feito com um título e aumentar a distância para Rafael Nadal, que voltará a ser o 2º do ranking, Federer ainda terá dois jogos pela frente. Na semifinal, neste sábado, encara o vencedor do confronto entre o italiano Andreas Seppi (81º) e o russo Daniil Medvedev (57º). E, na decisão, que acontece domingo, aguarda quem avançar no duelo entre o belga David Goffin (7º) e búlgaro Grigor Dimitrov (5º) ou o russo Andrey Rublev (34º).

Do G1

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.