Header Ads

Bolsonaro diz que posse de armas será uma das primeiras medidas de seu governo

Em primeira entrevista após eleição, ex-capitão também disse que pretende convidar Sérgio Moro para o Ministério da Justiça

Novo presidente, em entrevista para Rede Record de Televisão (Foto: O Dia)
Na primeira entrevista após ser eleito presidente do Brasil, Jair Bolsonaro disse que a posse de armas será uma das primeiras medidas de seu governo. O ex-capitão também defendeu a PEC do Teto de Gastos, que congela os investimentos públicos em saúde e educação por 20 anos, sugeriu que a Reforma da Previdência seja votada ainda no governo Temer e disse que pretende convidar Sérgio Moro para o Ministério da Justiça.

Na entrevista, concedida à Record, o presidente eleito prometeu uma "transição tranquila" com o atual governo, e afirmou que adiantar a votação da Reforma da Previdência para o final do governo Temer iria "facilitar o trabalho do novo governo".Bolsonaro também falou sobre a diminuição do número de cargos comissionados e de Ministérios. Segundo ele, além de nomes já confirmados como Paulo Guedes e Onyx Lorenzoni (DEM), falta pouco para a confirmação de Marcos Pontes para o Ministério da Ciência e Tecnologia. Sérgio Moro está cotado tanto para o Supremo Tribunal Federal (STF) quanto para o Ministério da Justiça.  Bolsonaro recuou sobre o aumento do número de ministros do STF, o que considerou um equívoco.

Indagado se vai governar para minorias, rebateu: "O que é minoria? Nós somos iguais". "Não podemos pegar certas minorias e achar que elas têm superpoderes", concluiu. 

Sobre General Mourão, seu vice, Bolsonaro afirmou que "faltou malícia para conversar com a imprensa". Já em relação a Paulo Guedes, não houve críticas nesse sentido. Ao contrário: Bolsonaro elogiou sua fala sobre o Mercosul e enfatizou sua postura "contra o politicamente correto". Em seguida, ponderou: "ninguém quer implodir o Mercosul". O presidente eleito disse que pretende apenas "nos livrar de algumas amarras com o Mercosul". 

Bolsonaro também usou o combate ao politicamente correto como argumento para defender o porte de armas: "Nós precisamos abandonar o politicamente correto e achar que com todo mundo desarmado, o Brasil vai ser melhor. 
Não vai ser melhor." Em seguida, confirmou que pretende, "com a bancada da segurança bastante empenhada, mudar o estatuto no corrente ano". O porte de armas estaria dentro de um "pacotão de medidas", que visa defender o agronegócio, as forças armadas, os policiais e toda a sociedade brasileira.

O capitão da reserva afirmou que orientou o PSL a não disputar a presidência da Câmara e que prefere dividir o poder no Congresso com outros partidos, em prol da governabilidade. Ele disse ainda que "qualquer invasão, quer seja feita pelo MST ou o MTST, será tipificada como terrorismo". "A propriedade privada é sagrada". Em seguida, negou o diálogo com movimentos sociais.

Bolsonaro também defendeu privatizações e disse que não há possibilidade de uma intervenção militar na Venezuela. 

De O Dia
Em 29.10.18, às 21h36

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.