Header Ads

OPERAÇÃO CAPITU! PF cumpre mandado de busca e apreensão em apartamento de Manuel Jr

Em âmbito nacional, a PF prendeu o vice-governador de Minas Gerais, Antônio Andrade (MDB)

Ex-deputado federal Manoel Júnior. Na eleição passada, não foi eleito (Foto: Portal Correio)
A Paraíba entrou no circuito da Operação Capitu, um desdobramento da Lava Jato. Na manhã desta sexta (dia 9), a Polícia Federal cumpriu um mandado de busca e apreensão em apartamento do ex-deputado e atual vice-prefeito Manuel Júnior, no Altiplano Cabo Branco. Seria desdobramento de delação do doleiro Lúcio Funaro. Segundo ele, o ex-deputado teria recebido indevidamente R$ 50 mil da JBS.

Informações prestadas pela Polícia Federal, no início da manhã, já indicavam o envolvimento de um ex-deputado federal. Manuel Júnior, pelo menos até o momento, ainda não se pronunciou. Sabe-se, no entanto, que, logo após a denúncia de Funaro (há dois anos), o vice-prefeito compareceu à Polícia Federal, onde prestou depoimento e negou ter recebido qualquer dinheiro ilegal da JBS.

Em âmbito nacional, a PF prendeu o vice-governador de Minas Gerais, Antônio Andrade (MDB), os ex-executivos da JBS Joesley Batista e Ricardo Saud e mais nove pessoas, num suposto esquema de corrupção no Ministério da Agricultura durante o governo Dilma Rousseff. A PF cumpriu ainda 63 mandados de busca e apreensão no Distrito Federal, Minas, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraíba e Mato Grosso.

De acordo com as investigações, foi descoberto um esquema de arrecadação de propina dentro do Ministério da Agricultura para beneficiar políticos do MDB, que recebiam dinheiro da JBS, em troca de medidas para beneficiar as empresas do grupo. A JBS então doava dinheiro para políticos e partidos. Duas grandes redes varejistas de Minas atuavam no esquema, por meio de seus controladores e diretores.

O vice-governador teria beneficiado a JBS com decretos quando era ministro da Agricultura, no governo Dilma e teria determinado a regulamentação da exportação de despojos, a proibição do uso da ivermectina (droga antiparasita) e a federalização das inspeções de frigoríficos.

O Grupo JBS teria pagado R$ 2 milhões pela regulamentação da exportação de despojos e R$ 5 milhões na proibição da ivermectina de longa duração.

PRESOS:

Antonio Andrade, vice-governador de Minas e ex-ministro da Agricultura

Joesley Batista, dono da JBS

Ricardo Saud, ex-executivo da JBS

Demilton de Castro, executivo da JBS

João Magalhães, deputado estadual pelo MDB de MG

Neri Geller, deputado federal eleito pelo PP de MT e ex-ministro da Agricultura

Rodrigo Figueiredo, ex-secretário de Defesa Agropecuária

Mateus de Moura Lima Gomes, advogado

Mauro Luiz de Moura Araújo, advogado

Ildeu da Cunha Pereira, advogado

Marcelo Pires Pinheiro

Fernando Manoel Pires Pinheiro

Do Blog de Helder Moura
Em 09.11.18, às 11h09

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.