Header Ads

Magistrados da PB podem decidir sobre medidas judiciais contra Pâmela Bório

Nessa semana, a entidade divulgou uma nota de repúdio contra a jornalista. A AMPB  classificou as declarações de Pâmela como “levianas”

Ex-primeira dama da PB, Pâmela Bório (Foto: Da Net)
A Associação dos Magistrados da Paraíba (AMPB) convocou uma Assembleia Geral Extraordinária para o próximo dia 22 de abril  no auditório do Ed. Plaza Center (Av. João Machado, 553, Centro, João Pessoa – sede administrativa da AMPB), para tratar sobre o ingresso das medidas judiciais contra a jornalista Pâmela Bório.

Nessa semana, a entidade divulgou uma nota de repúdio contra a jornalista. A AMPB  classificou as declarações de Pâmela como “levianas”.

“Ao atribuir, indiscriminadamente, a prática de crimes de corrupção a integrantes do Poder Judiciário, a jornalista tem o dever de apresentar as devidas provas e acionar os órgãos de investigação competentes. Ao invés disso, agiu de forma difamatória e caluniosa, atentando contra os princípios éticos da profissão que escolheu para seguir”, diz trecho da nota. 

ENTENDA

No último domingo, 7, durante um ato em prol da Operação Lava Jato, no Busto de Tamandaré, em João Pessoa,  a jornalista Pâmela Bóri fez  uma grave denuncia sobre uma suposta prática de crimes de corrupção no Poder Judiciário da Paraíba.

“Vocês sabem porque nós, paraibacas, continuamos a sermos roubados constantemente, porque estamos com um judiciário cooptado e corrupto, porque no nosso judiciário, há os omissos, mas também há os parceiros de crime, há os juízes que vendem sentenças. Isso nós já denunciamos, já comprovamos. Áudios foram vazados. Desembargador Aluízio Bezerra que sempre facilita as ações do governo do Estado da Paraíba, a sua hora está chegando também, senhor, Vossa Excelência. E Vossa Excelência é só um exemplo. Temos uma lista de juristas”, afirmou Pâmela. 

NOTA DE REPÚDIO CONTRA JORNALISTA

A AMPB – Associação dos Magistrados da Paraíba, Entidade representativa dos Juízes de Direito deste Estado, diante de pronunciamentos levianos emitidos pela jornalista Pâmela Bório, por ocasião de manifestação pública ocorrida no último domingo (07), nesta Capital, e repercutidos pela imprensa, vem a público repudiar ataques infundados que maculem a seriedade do Poder Judiciário paraibano, bem como tentem ameaçar a independência judicial de todos os seus magistrados, em qualquer grau de jurisdição.

Como Entidade defensora do Estado Democrático de Direito e das garantias constitucionais, a AMPB reafirma que sempre prezou pela liberdade de expressão, contudo, essa garantia não pode ser exercida de maneira irresponsável, sobretudo por uma profissional da imprensa, que tem o dever de informar de maneira ética, observando a verdade dos fatos.

Ataques infundados à magistratura não atingem apenas os seus membros, mas o próprio cidadão, que precisa de um Judiciário forte, capaz de combater todos os atos de corrupção e garantir os direitos individuais de seus cidadãos, atitudes que o Poder Judiciário paraibano vem desempenhando com profissionalismo e dedicação nos últimos tempos.

Ao atribuir, indiscriminadamente, a prática de crimes de corrupção a integrantes do Poder Judiciário, a jornalista tem o dever de apresentar as devidas provas e acionar os órgãos de investigação competentes. Ao invés disso, agiu de forma difamatória e caluniosa, atentando contra os princípios éticos da profissão que escolheu para seguir.

Por fim, a AMPB espera que prevaleça o respeito ao Poder Judiciário e a seus magistrados, calcado em preceitos éticos mediante o uso da liberdade de expressão responsável, dizendo que adotará medidas jurídicas para resguardar a dignidade de seus membros.

João Pessoa, 09 de abril de 2019.

Juiz Max Nunes de França
Presidente em exercício da AMPB

Do Wscom
Publicada por F@F em 11.04.19, às 12h24

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.