Publicidade
|
Galeria de Fotos Horóscopo Novelas Vídeos Email: redacao@fatoafato.com.br
Empreendedor Entrevistas Email: redacao@fatoafato.com.br
Mundo

Entenda a crise na Crimeia, Ucrânia, região autônoma e conflitos externos
07.03.2014 enviado às 21:37
Texto:

KIEV (UCRÂNIA) - Crimeia se tornou o foco da atenção da diplomacia internacional nas últimas semanas com uma escalada militar russa e ucraniana na região. As tensões separatistas da região, de maioria russa, se tornaram mais acirradas com a deposição do presidente ucraniano Viktor Yanukovich – o que levou a Rússia a aprovar o envio de tropas para “normalizar” a situação.

A medida só piorou as relações entre Ucrânia e Rússia, gerando grande perigo para a região.

A seguir, saiba os detalhes sobre a crise na região.

O que é a Crimeia?
Como teve início a crise na região?
Qual o papel da Rússia na crise?
Qual o interesse russo na Crimeia?
Qual a reação do governo da Ucrânia?
Qual a reação dos países ocidentais

O que é a Crimeia?
A Crimeia é uma república autônoma da Ucrânia, localizada em uma península no Mar Negro. A região já pertenceu à Rússia, e foi anexada pela Ucrânia em 1954 – o então líder soviético Nikita Khrushchev, que era de origem ucraniana, deu a região como presente. Diferente do resto da Ucrânia, a maioria da população na região é de origem russa.

Como teve início a crise na região?
No final de 2013, o então presidente ucraniano Viktor Yanukovich desistiu de assinar um tratado de livre-comércio com a União Europeia, preferindo estreitar relações comerciais com a Rússia. A decisão deu origem a protestos massivos, que resultaram, em fevereiro, na destituição de Yanukovich, que fugiu para a Rússia.

Na Crimeia, de maioria russa, o parlamento local foi dominado por um comando pró-Rússia, que nomeou Sergei Axionov como premiê. Esse novo governo, considerado ilegal pela Ucrânia, aprovou sua adesão à Federação Russa e a realização de um referendo sobre o status da região no dia 16 de março.

Qual o papel da Rússia na crise?
Com a intensificação das tensões separatistas, o Parlamento russo aprovou, a pedido do presidente Vladimir Putin, o envio de tropas à Crimeia para “normalizar” a situação.

Tropas sem identificação, mas claramente russas – algumas em veículos com placas registradas na Rússia – tomaram a Crimeia, dominando bases militares e aeroportos. A Rússia justificou o movimento dizendo se reservar o direito de proteger seus interesses e os de seus cidadãos em casos de violência na Ucrânia e na região da Crimeia.

A escalada militar fez com que diversos oficiais do exército ucraniano se juntassem ao governo local pró-russo. Outros abandonaram seus postos. No dia 4 de março, o novo governo da Crimeia anunciou que assumiu o controle da península, e deu um ultimato para que os últimos oficiais leais à Ucrânia se rendessem.

Qual o interesse russo na Crimeia?
Para muitos russos, a Crimeia e sua "Cidade Heroica" de Sebastopol, da era soviética, sitiada pelos invasores nazistas, têm uma ressonância emocional muito forte, por já ter sido parte do país e ainda ter a maioria de sua população de origem russa.

A península fica em uma área estratégica do Mar Negro, muito próxima do sudoeste da Rússia. A maior parte da frota russa no Mar Negro está na Crimeia, com um quartel-general na cidade ucraniana de Sebastopol.

Para a Ucrânia, independente da Rússia desde o colapso da União Soviética em 1991 e em meio a uma crise econômica, a perda da Crimeia seria um enorme golpe.

Qual a reação do governo da Ucrânia?
O novo governo ucraniano, pró-União Europeia, criticou os movimentos separatistas e classificou a aprovação de intervenção militar russa como uma declaração de guerra. Logo em seguida, o governo convocou todas suas reservas militares para reagir a um possível ataque russo.

O país também pediu apoio do Conselho de Segurança da ONU para frear a crise na península e defender sua integridade territorial.

Qual a reação dos países ocidentais?
Os Estados Unidos e outros países ocidentais exigem que a Rússia recuasse suas tropas na Crimeia. Os EUA também ameaçaram a Rússia com sanções, suspenderam as transações comerciais com o país e cancelaram um acordo de cooperação militar com Moscou.

Outros países do ocidente pressionaram a Rússia por uma saída diplomática. A escalada de tensão também levou a uma ruptura entre as grandes potências, com o G7 condenando a ação e cancelando uma reunião com o governo de Moscou.

Em meio à crise, a Comissão Europeia divulgou um plano de ajuda de pelo menos € 11 bilhões para a Ucrânia. Os EUA também anunciaram um pacote de assistência técnica e econômica ao país em uma demonstração de apoio ao novo governo, no valor de US$ 1 bilhão.

O que pode acontecer?
Analistas internacionais acreditam que a solução para o problema deve ocorrer por via diplomática.

A Ucrânia não é oficialmente membro da Otan – em 1997, o país assinou um acordo em que se tornou um aliado extra-Otan e membro não-permanente da organização. Por isso, analistas não acreditam que a Otan possa entrar em guerra com a Rússia pela Ucrânia.

Qualquer ação militar ocidental direta arriscaria uma guerra entre as superpotências nucleares. Relativamente pequena e com arsenal reduzido, as forças da Ucrânia poderiam agir, mas correriam o risco de incitar uma invasão russa muito mais ampla que poderia dominar o país.

A Rússia pode cortar o fornecimento de gás para a Europa, cujos gasodutos passam pela Ucrânia, e acredita-se que o país tenha capacidades de ataque cibernéticos sofisticados que poderiam ser usadas contra a Ucrânia ou o Ocidente.

Do G1

Compartilhe:
 
Comentários

Notícias Relacionadas

»Aquarela pintada por Hitler é leiloada por R$ 400 mil na Alemanha

»Tempestade de neve nos Estados Unidos deixa dez mortos

»Fabricantes alertam que chocolate pode acabar no ano de 2020

»Homens com facas e machados matam fiéis em sinagoga de Israel

»Colômbia suspende diálogo com as Farc após sequestro de general

»Duas mil pessoas cozinham ao ar livre na Coreia do Sul

»Ucrânia não deve abandonar cessar-fogo, diz porta-voz

»Escola nos Estados Unidos instala 'sistema de detecção de atirador'

»Pior acidente de ônibus na Espanha desde 2001 deixa 14 mortos

»Carros-bomba matam 12 pessoas no Iraque; ataque se deu com dois carros

 
 
 
Editorial do dia

Novo confronto

A Paraíba tem atualmente 246 defensores públicos na ativa, ou seja, um para cada 16 mil paraibanos. Estão presentes em 88% das Comarcas. Como são poucos, atuam em mais de uma. São responsáveis por entre 85% e 90% das ações que tramitam na Justiça Estadual.

Veja mais
 
Colunistas
Antonio Santos
Antonio Cavalcante
Eu, pecador
Martinho Alves
Surpresas políticas
Professor Damásio
Alagoinha quer mudança
Mais Lidas