Header Ads

Vice-presidente Mourão levou 17 servidores a Angola ao custo de R$ 340 mil

Comitiva do governo brasileiro liderada pelo vice-presidente e composta por deputados evangélicos, que foi à nação africana defender interesses de Edir Macedo, sequer foi ouvida pelas autoridades locais

Vice-presidente Hamilton Mourão (Foto: Divulgação/IURD)
Brasília (DF) - O vice-presidente da República, general Hamilton Mourão (PRTB), assinou uma portaria no dia 2 de julho autorizando a liberação de 17 servidores federais para acompanhá-lo na viagem oficial que fez a Angola, na última semana, que teve por finalidade tratar dos negócios da Igreja Universal do Reino de Deus naquele país, de onde foi expulsa pelo governo de João Lourenço. A reportagem é da Revista Fórum.

CONFIRA: Vice-presidente Hamilton Mourão levou 17 servidores a Angola ao custo de R$ 340 mil

Os dados sobre a missão, lançados no site Painel de Viagens, vinculado ao Ministério da Economia, ainda não foram concluídos, mas até o momento o custo desses servidores com passagens e diárias já ultrapassa R$ 340 mil.

Embora a razão oficial da visita fosse uma reunião da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), Mourão se reuniu com o chefe de Estado angolano para interceder na crise que a organização religiosa enfrenta por lá, levando a tiracolo uma comitiva de deputados federais ligados à seita de Edir Macedo, liderados pelo “bispo” Marcos Pereira (Republicanos-SP).

O plano não deu certo. João Lourenço não quis tratar do assunto e as autoridades locais negaram qualquer reunião para ouvir os argumentos dos parlamentares evangélicos que acompanharam Mourão na travessia do Atlântico.

Crise da IURD na África

Há poucos meses, a Procuradoria-Geral da República angolana e o Serviço de Investigação Criminal (SIC) identificaram, com várias provas, a existência de um sofisticado e robusto esquema, dentro da Igreja Universal do Reino de Deus, de “branqueamento de capitais”, como chamam as autoridades locais o crime batizado por aqui de lavagem de dinheiro.

Fartos dos problemas causados seita extremista em seu território, o governo do presidente João Lourenço baniu a administração brasileira da instituição e deu o controle da igreja para membros locais da entidade. Várias lideranças brasileiras da IURD que viviam lá foram expulsas do país.

Do Wscom com Revista Fórum
Publicada em 26.07.2021

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.