Header Ads

Soldado da PM que acusa tenente de assédio sexual e ameaças de morte é exonerada

Saída da corporação de Jéssica Paulo do Nascimento, de 28 anos, foi publicada nesta quarta-feira (26). Tenente-coronel Cássio Novaes foi afastado do comando de Batalhão da capital paulista após denúncia

Ex-soldado Jéssica denuncia superior por assédio sexual, ameaças de morte e de estupro (Foto: G1 Santos)
Rio de Janeiro (RJ) - A soldado Jéssica Paulo do Nascimento, de 28 anos, que denunciou um tenente-coronel por assédio sexual e ameaças de morte, decidiu deixar a carreira na Polícia Militar e foi exonerada nesta quarta-feira (26). Ela afirma que tomou a decisão após sofrer pressão dentro da corporação devido à repercussão do caso.

CONFIRA! Soldado da PM denuncia tenente-coronel por assédio sexual, ameaça de morte e estupro após recusa; OUÇA

Jéssica estava lotada no 45° Batalhão da Polícia Militar do Interior (BPM/I), em Praia Grande, no litoral de São Paulo, mas a denúncia se refere à época que ela atuava na capital paulista. O G1 tentou contato com o tenente-coronel Cássio Novaes, denunciado pelos crimes, mas não obteve retorno. O oficial foi afastado do comando do batalhão onde atuava e a investigação é conduzida pela Corregedoria da PM, sob segredo de Justiça.

Em entrevista ao G1, nesta quarta-feira, a ex-soldado contou que tomou a decisão de deixar a corporação ao ser pressionada no serviço. "Pensei que denunciando eu teria alguma paz, mas foi diferente. Sofri uma pressão muito difícil", diz.

Entre os episódios que classifica como perseguição está o desarmamento dela, escalas de trabalho na rua à noite, mesmo denunciando ameaças de morte, negativa para pedidos de transferência e chantagem com as férias ao qual ela teria direito. Ela afirma que foi avisada que poderia tirar férias "depois que pedisse baixa".

"Foi uma decisão difícil. Eu saí do meu estado, Rio de Janeiro, para realizar esse sonho em São Paulo. Logo agora que tomei coragem para expor o que passava, não tive mais paz", desabafa a ex-soldado após ser exonerada.

Jéssica diz que tentou, no último mês, afastamento por abalo psicológico, mas foi informada pelo médico da PM que ele "só lhe daria alguns dias se o comandante dela autorizasse". Além disso, ela afirma que respondeu a pelo menos quatro advertências por dar entrevistas públicas sobre a denúncia de assédio sexual e ameaças de morte.

Segundo ela, deixar a corporação foi difícil, mas foi a "melhor decisão a ser tomada". "Saio com ótimo comportamento, não respondendo a processos. Se eu ficasse, eu iria tomar advertência atrás de advertência e seria expulsa, manchando minha reputação", afirma.

A ex-soldado afirma, ainda, que tem provas em áudio e texto de todas as suas afirmações e justificativas para ter deixado a corporação nesta quarta. Jéssica conta que irá usá-las para entrar com uma ação judicial contra o Estado em breve.

Leia matéria completa, AQUI

Do G1
Publicada por F@F em 27.05.2021

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.