Header Ads

Caseiro suspeito de matar mulher, enteada e fazendeiro é encontrado morto

Diretoria-Geral de Administração Penitenciária vai investigar a causa da morte porque ele estava sozinho na cela. Corpo foi achado na hora do café da manhã

Wanderson Mota Protácio, de 21 anos, durante depoimento em delegacia de Goiás (Foto: Polícia Civil/Divulgação)
Rio de Janeiro (RJ) - O caseiro Wanderson Mota Protácio, suspeito de matar a mulher grávida, a enteada e um fazendeiro, foi encontrado morto, nesta terça-feira (18), em uma cela do Núcleo de Custódia do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia.

A Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP) disse em nota que abriu um procedimento interno para investigar a morte. O órgão informou que ele estava sozinho na cela. Quando ele foi preso, a juíza Aline Freitas da Silva havia decidido que ele ficasse em cela separada.

O g1 questionou ao Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO), por e-mail, o que vai acontecer com os processos aos quais Wanderson Mota respondia e aguarda resposta.

Os servidores do local encontraram o preso desacordado durante o procedimento de entrega do desjejum, logo de manhã cedo, segundo a DGAP. A nota diz que o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi chamado e atestou o óbito do detento, que estava pendurado com um lençol no pescoço.

Os crimes contra a esposa, a enteada e o fazendeiro aconteceram em 28 de novembro passado, em Corumbá de Goiás. A Polícia Civil apurou que ele matou, com golpes de faca, a mulher dele, Raniere Aranha Figueiró, que estava grávida, e a enteada Geysa Aranha, de 2 anos e nove meses, na casa onde moravam.

Depois, ele furtou um revólver e matou o fazendeiro Roberto Clemente, de 73 anos, que era vizinho e roubou caminhonete dele para fugir da cidade. A mulher de Roberto também foi baleada, mas sobreviveu. O nome dela não foi divulgado.

Wanderson Mota ficou seis dias foragido até uma fazendeira o convencer a se entregar à polícia.

Do g1
Publicada por F@F em 18.01.2022

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.