Header Ads

Justiça arquiva processo contra Ricardo Coutinho no caso Bruno Ernesto

Bruno Ernesto foi assassinado em 7 de fevereiro de 2012 quando era diretor de Infraestrutura e Suporte da Prefeitura de João Pessoa e o crime teria sido associado com o escândalo do Jampa Digital

Burno Ernesto foi morto em 2012 (Foto: Reprodução)
A juíza Francilucy Rejane de Sousa Mota, do 2º Tribunal do Júri, decidiu acatar o parecer do promotor Marcus Leite e arquivar o processo do caso que ficou conhecido como “Caso Bruno Ernesto” que tramitava contra o ex-governador Ricardo Coutinho.

De acordo com a informação postas no blog do Helder Moura, no despacho realizado no último dia 6 de agosto, a magistrada afirmou não ter encontrado elementos suficientes para embasar denúncia contra o ex-governador.

O crime

Bruno Ernesto foi assassinado em 7 de fevereiro de 2012 quando era diretor de Infraestrutura e Suporte da Prefeitura de João Pessoa e o crime teria sido associado com o escândalo do Jampa Digital por ser um programa do qual ele era um dos coordenadores.

Jampa Digital

O Jampa Digital era um programa que prometia disponibilização de internet gratuita para o cidadão em várias áreas públicas da cidade de João Pessoa, serviço esse que chegou a ser instalado, mas, nunca funcionou a contento.

O programa foi idealizado e iniciado em uma das gestões do então prefeito Ricardo Coutinho (PSB).

Superfaturamento

O Jampa Digital se transformou em motivo de escândalo quando foi detectado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB) um superfaturamento de pelo menos R$ 840.000,00 (oitocentos e quarenta mil reais) no contrato de R$ 6,2 milhões na compra dos equipamentos destinados ao programa.

O dinheiro desviado, segundo apontou a Polícia Federal, teria sido usado para financiamento da campanha do próprio Ricardo, em 2010.

Do Paraíba Rádio Blog
Publicada por F@F em 24.08.2020

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.