Header Ads

Mulher presa suspeita de furtos no Rio atuava como empresária na Paraíba

Segundo a polícia, Maria José de Moraes investiu em negócios no Nordeste ao furtar dinheiro e joias nas residências em que trabalhou no RJ como doméstica. Polícia calcula que o prejuízo tenha sido de R$ 1 milhão

Acusada foi presa na PB (Foto: Reprodução/RJTV)
A Delegacia de Roubos e Furtos da Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu, nesta segunda-feira (21), na Paraíba, Maria José de Almeida de Moraes, suspeita de praticar furtos em casas de alto padrão no Rio.

Na Paraíba, os policiais descobriram que Maria José era uma empresária de sucesso e tinha uma churrascaria na cidade de Patos. No Rio, a mulher era contratada como doméstica para trabalhar em residências de empresários.

De acordo com os policiais da DRF, ela furtava os patrões. Em uma das casas em que trabalhou no Rio, a mulher chegou a furtar, segundo os investigadores, cerca de R$ 400 mil, em dinheiro, joias e perfumes, numa casa onde trabalhava na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio.

A Delegacia de Roubos e Furtos avalia em R$ 1 milhão o prejuízo causado por Maria José a três patrões em diferentes casas.

Com Maria José, a polícia encontrou, nesta segunda-feira, vários documentos de identidade falsos. Ela já usou, nos empregos, nomes de Mariana, Rita, o que dificultou a investigação policial.

A polícia chegou até a identidade verdadeira de Maria José por causa da compra de um carro, apreendido nesta segunda-feira. O veículo é avaliado em R$ 60 mil e foi pago em dinheiro, em junho passado.

O companheiro da mulher foi quem buscou o carro e também está sendo investigado.

Com o dinheiro dos golpes aplicados no Rio de Janeiro, ainda segundo os investigadores, Maria José voltou para a Paraíba. Boa parte dos produtos furtados foram recuperados nesta ação policial.

Com o apoio da Polícia Civil da Paraíba, foram feitas buscas na churrascaria, em Patos. Um empreendimento de Maria José obtido com dinheiro ilícito, segundo a polícia.

Os investigadores dizem que há, pelo menos, dois registros de furtos em outras casas, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. Maria José Almeida de Moraes vai responder por falsidade ideológica, associação criminosa, lavagem de dinheiro e furto qualificado, por abuso da confiança.

Com as apreensões desta segunda, a Justiça poderá ressarcir parte do prejuízo às vítimas.

Do G1
Publicada por F@F em 23.12.2020

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.