Header Ads

Ministro Marcelo Queiroga anuncia 3ª dose da vacina contra Covid-19 para 15 de setembro

O ministro também informou que a partir de 15 de setembro, será reduzido o intervalo da aplicação da segunda dose dos imunizantes da Pfizer e Astrazeneca das atuais 12 semanas para oito semanas

A informação foi adiantada pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, nesta quarta-feira (25/8) (Foto: Reprodução )
João Pessoa (PB) - O Ministério da Saúde vai liberar a aplicação da terceira dose da vacina contra a covid-19 em idosos com mais de 70 anos e imunussuprimidos a partir do dia 15 de setembro. A informação foi adiantada pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, nesta quarta-feira (25/8).

O ministro também informou que a partir de 15 de setembro, será reduzido o intervalo da aplicação da segunda dose dos imunizantes da Pfizer e Astrazeneca das atuais 12 semanas para oito semanas.

De acordo com o ministro, no dia 10 de setembro, a pasta finalizará a distribuição de imunizantes para a aplicação da primeira dose em toda a população brasileira com mais de 18 anos, o que abre espaço para a antecipação e o reforço vacinal anunciado.

A partir do dia 15 de setembro, serão enviadas aos Estados as doses de reforço para os imunossuprimidos - pessoas com câncer ou transplantados, por exemplo - que tenham tomado a segunda dose há pelo menos 28 dias e de idosos com mais de 70 anos que tenham tomado a segunda há pelo menos seis meses.

A aplicação nos idosos seguirá ordem cronológica, do mais velho para o novo. A Saúde aguarda a conclusão de um estudo para decidir como será a aplicação da terceira dose em profissionais de saúde e pessoas com menos de 70 anos.

O Ministério da Saúde estudará ainda a possibilidade de imunização cruzada entre as vacinas da Astrazeneca e Pfizer, mas isso será feito somente em caso de necessidade.

A previsão do Ministério da Saúde é imunizar todos os idosos e profissionais de saúde com a terceira dose até o fim do ano, população que soma 12 milhões de pessoas. Há ainda a possibilidade de que toda a população brasileira seja revacinada em 2022 se os estudos concluírem que isso será necessário. Até o fim do ano, o Brasil receberá 600 milhões de doses, que poderão inclusive ser mantidas congeladas para uso numa eventual campanha de reforço no próximo ano.

Há ainda 180 milhões de doses da Astrazeneca produzida no Brasil já contratadas para 2022, o que seria suficiente para uma dose de reforço em toda a população vacinável no ano que vem. 

Do G1 com ClickPB
Publicada por F@F em 25.08.2021

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.