Header Ads

MP vai investigar se PM de Sapé descumpriu protocolos sanitários em festa de emancipação

Para a realização do evento foi acordado o cumprimento de diversas medidas estabelecidas para o combate à pandemia

Sapé realizou festa de aniversário (Foto: Reprodução)
João Pessoa (PB) - Após aglomeração e superlotação em show de aniversário da cidade de Sapé, o Ministério Público da Paraíba vai investigar se Prefeitura de Sapé descumpriu protocolos sanitários durante a festa, realizada em praça pública na noite da última terça-feira (30). Para a realização do evento foi acordado o cumprimento de diversas medidas estabelecidas para o combate à pandemia. 

Em entrevista ao ClickPB, nesta quarta-feira (1), a promotora de Justiça Ana Maria França, que atua na área da saúde, falou sobre as tratativas a serem adotadas para o caso. Ela disse que o caso vai ser investigado, uma vez que a prefeitura se comprometeu a cumprir todos os protocolos sanitários, previsto no decreto, no entanto, as denúncias apontam para descumprimento.

Segundo ela, o MP orientou sobre todos os protocolos a serem cumpridos. "No início de novembro foi comunicado pela Prefeitura que realizaria o evento alusivo á festa de emancipação política do município. E o que aconteceu foi que foram exigidas, o Ministério Público, ao tomar conhecimento desse fato, questionou a prefeitura acerca da obediência aos protocolos sanitários e exigências dos decretos estadual e municipal", disse. 

Ainda segundo ela, todas as exigências necessárias e previstas nos decretos estadual e municipal foram repassados para a prefeitura de Sapé. "E foi apresentado um projeto, um cronograma do evento com o que a Prefeitura se dispunha a fazer. Limitação de público, controle de presença de público através de pulseiras, disponibilização de exames, testes de covid para quem só tivesse a primeira dose da vacina e exigência de passaporte sanitário. Só poderia entrar quem estivesse com as duas doses ou a primeira dose, que também se submetesse ao teste de covid. Limitação de público e fiscalização pela vigilância sanitária, Guarda Municipal e disponibilização de outros tipos de fiscalização que o Estado pudesse realizar. E, enfim, foram essas todas as exigências necessárias e previstas nos decretos estadual e municipal", destacou.

A promotora reforçou que os cuidados para evitar a contaminação por covid-19 teriam sido descumpridos, já que houve excesso de público, ausência do uso de máscaras, entre outras irregularidades, motivo pelo qual, o caso será investigado.

"Contudo, eu também fiquei sabendo que houve extrapolamento. A imprensa hoje já divulgou que houve excesso de público. Aí sim será apurado. Porque até ontem, à tarde, estava se agindo dentro da lei. Se ele extrapolou, passou dos limites, não exigiu máscaras, prevaricou, isso aí então vai ser apurada a conduta de quem deu causa à superlotação", avaliou.

Do ClickPB
Publicada por F@F em 01.12.2021

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.