Header Ads

Operação investiga e cumpre mandados contra cooperativas de fornecimento de alimentos na PB

Os contratos em investigação são relacionados a alimentos fornecidos para famílias em vulnerabilidade social, merenda escolar e alimentação de unidades hospitalares e de saúde

A Operação 5764 consiste no cumprimento de 11 mandados judiciais, sendo nove (09) de busca e apreensão e dois (02) de prisão preventiva, nas cidades de João Pessoa (PB), Sobrado (PB), São Miguel de Taipu (PB) e Alhandra (PB) (Foto: Divulgação)
João Pessoa (PB) - Contratos de cooperativas voltadas ao fornecimento de gêneros alimentícios destinados a famílias carentes da Paraíba foram alvos da Operação 5764, deflagrada na manhã desta quarta-feira (6) pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público da Paraíba (MPPB).

Segundo informações preliminares obtidas pelo ClickPB, as cooperativas que firmaram contratos com entes públicos, como o Governo do Estado, e municípios paraibanos, foram as fraudadoras de um esquema envolvendo indícios de conluio, de falsidade ideológica e de fraudes ao caráter competitivo em dispensas de licitação. 

De acordo com a Controladoria-Geral da União (CGU), órgão que participa das investigações, as contratações decorrentes das dispensas de licitação investigadas totalizam o montante de R$ 754 mil, dos quais R$ 123 mil correspondem a dano ao erário já detectado.

Nove mandados de busca e apreensão e dois de prisão preventiva foram cumpridos nas cidades de João Pessoa (PB), Sobrado (PB), São Miguel de Taipu (PB) e Alhandra (PB). O trabalho contou com a participação de dois promotores de Justiça do MPPB, quatro auditores da CGU, seis auditores do Tribunal de Contas da Paraíba (TCE-PB), oito auditores da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz-PB), 26 servidores do GAECO/MPPB, oito policiais civis e 36 policiais militares.

Durante a operação, foram presos o presidente da União Nacional das Cooperativas da Agricultura Familiar e Economia Solidária na Paraíba (UNICAFES/PB), Jaciel Franklin, pré-candidato a deputado federal pelo Solidariedade, e Marcelo Eleutério de Melo, gerente Executivo das Casas de Economia Solidária, atualmente vinculado à Secretaria Executiva de Segurança Alimentar e Economia Solidária (SESAES), da Paraíba.

Em contato com o portal, o superintendente da CGU, Severino Queiroz, afirmou que não haverá coletiva de imprensa sobre a Operação 5764, pois as investigações estão sob segredo de Justiça.

Do ClickPB
Publicada por F@F em 06.04.2022

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.