Header Ads

Em vídeo, Bolsonaro nega tudo sobre o Caso Marielle e acusa governador Witzel

Jornal Nacional mostrou que porteiro disse, em depoimento, que ex-PM preso pelo assassinato foi autorizado a entrar no condomínio de Bolsonaro após falar com alguém na casa do então deputado. Jair Bolsonaro afirmou que estava na Câmara, em Brasília, no dia das execuções. JN já tinha mostrado que ele estava no congresso

Presidente Bolsonaro (Foto: Reprodução da Net)
Na madrugada desta quarta-feira (30) na Arábia Saudita, onde está em visita oficial, o presidente Jair Bolsonaro reagiu às revelações do Jornal Nacional desta terça.

"Fui surpreendido agora há pouco de uma matéria do Jornal Nacional sobre o depoimento de um porteiro de que, no dia 14 de março do ano passado, às 17h10, um dos suspeitos de ter executado a Marielle teria se apresentado na portaria, ligado pra minha casa, no caso o porteiro ter ligado pra minha casa, e o porteiro reconheceu como voz sendo a voz minha nessa quarta-feira, 18 de outubro, às 17h10, e autorizou então a entrada do mesmo no condomínio. Detalhe, quarta-feira, geralmente um parlamentar ele está em Brasília, 17h10. Eu tenho registrado no painel eletrônico da Câmara presença 17h41, ou seja, 31 minutos depois da entrada desse cidadão no condomínio. E tenho também às 19h36. E tenho também registrado no dia anterior e no dia posterior as minhas digitais no painel de votação."

"Conclusão que se tira disso aí: esse processo está em segredo de Justiça. Como chega na Globo? Quem vazou para a Globo? Segundo a Veja, está publicado aqui, quem vazou esse processo pra Globo foi o senhor governador [Wilson] Witzel. O senhor governador Witzel que se explique agora como é que ele vazou esse processo. O que que cheira isso daqui?"

"Eu não quero bater o martelo. O que que parece? Que ou o porteiro mentiu ou induziram o porteiro a conduzir um falso testemunho ou escreveram algo no inquérito que o porteiro não leu e assinou embaixo em confiança ao delegado ou aquele que foi ouvir na portaria."

"Bem, a Globo diz que as minhas digitais estavam aqui de Brasília. Ela não nega isso daí. Mas sempre fica a suspeita na outra ponta da linha."

Depois dessas declarações, o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, reagiu. Em nota, afirmou: "Lamento profundamente a manifestação intempestiva do presidente Jair Bolsonaro. Ressalto que jamais houve qualquer tipo de interferência política nas investigações conduzidas pelo Ministério Público e a cargo da Polícia Civil. Em meu governo, as instituições funcionam plenamente e o respeito à lei rege todas nossas ações. Não transitamos no terreno da ilegalidade, não compactuo com vazamentos à imprensa. Não farei como fizeram comigo, prejulgar e condenar sem provas. Hoje, fui atacado injustamente. Ainda assim, defenderei, como fiz durante os anos em que exerci a Magistratura, o equilíbrio e o bom senso nas relações pessoais e institucionais. Fui eleito sob a bandeira da ética, da moralidade e do combate à corrupção. E deste caminho não me afastarei".

Veja vídeo com Bolsonaro


Do G1
Publicada por F@F em 30.10.19, às 01h38

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.