Header Ads

Morre o médico Geraldo Camilo, um dos últimos intelectuais do Agreste paraibano

O falecimento do médico entristeceu Guarabira, Mulungu e o Brejo da Paraíba, uma vez que ele tinha inúmeros serviços prestados à região

Geraldo Camilo (Foto: Arquivo da família)
O médico Geraldo Camilo, ex-prefeito de Mulungu (onde nasceu), faleceu nesta quarta-feira (28) na sua residência na Capital do Estado, em João Pessoa. Fundador do Hospital e Maternidade Nossa Senhora da Luz, "Dr. Geraldo" tinha 85 anos de idade.

Considerado um dos últimos intelectuais do Brejo paraibano, Geraldo Camilo, conforme relatos do radialista Rafael San, era viciado em livros. Na Rádio Cultura, quando ainda a emissora era AM, o médico tinha um programa às sextas-feiras onde discutia assuntos diversos, inclusive temas na área da intelectualidade. 

O corpo de Geraldo Camilo será cremado, como desejo dele em vida. O falecimento do médico entristeceu Guarabira, Mulungu e o Brejo da Paraíba, uma vez que ele tinha inúmeros serviços prestados à região.

Como legado, além da história e do incontestável serviço prestado a Guarabira e região,  "Dr. Geraldo" deixa filhas, genros e netos todos na área da medicina.

No site ManchetePB, o radialista Rafael San publicou artigo relatando um pouco da história e o falecimento do médico Geraldo Camilo:

"Em casa, médico Geraldo Camilo se despede dos seus e encerra elegante trajetória

O único mal irremediável, prescrito por Ariano Suassuna, atingiu o médico Geraldo Camilo, aos 85 anos, nesta quarta-feira (28). A morte silenciou a voz, escondeu o sorriso, aquietou a bravura e amortizou o poço de cultura de Geraldo Camilo. A matéria foi vencida pelo desgaste temporal inerente aos humanos, mas a sua elegância de comportamento o manterá vivo e impregnado por onde passou e exalou sua experiência e sabedoria.

Ao lado dos familiares, como sempre pediu, faleceu em sua casa na capital paraibana. Por vezes expressou: “ninguém merece morrer no gelo de uma UTI, quero morrer em casa ao lado dos meus”. E completava: “nascer e morrer são dois fenômenos naturais. Não tenho medo da morte, tenho medo de não morrer, deve ser horrível. Em determinada altura da vida devemos sair de cena para que outros também brilhem”.

Em 1963, o jovem Geraldo Camilo chegava à Guarabira para colocar em prática o que tinha aprendido na faculdade de medicina. Foi visionário e fundou a Casa de Saúde e Maternidade Nossa Senhora da Luz, na qual milhares de crianças nasceram ao longo de décadas. Ao encerrar as atividades da Maternidade Senhora da Luz rejeitou a aposentadoria de fato, ao afirmar: “quando jovem planejei aposentar-me, mas quando chegou o tempo, vi que não era o que eu pensava. Devemos nos aposentar somente na carteira de trabalho, na prática, não devemos abandonar nossas atividades, nos prejudica em todos os sentidos”. Com essa visão, passou a cuidar mais da Rádio Cultura de Guarabira – onde detinha 40% das ações, e passou a atender no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de Guarabira, depois de se especializar em Psiquiatria. Explicava sua repulsa ao comodismo citando o escritor português Fernando Pessoa – a quem chamava de amigo Fernandinho -: “há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos”.

Viciado confesso em livros, Dr Geraldo Camilo era dono de uma oratória invejável. Por sua habilidade, o programa radiofônico mantido por ele na Rádio Cultura, às 11 horas das sextas-feiras, lhe garantia uma legião de ouvintes e admiradores. Por longos anos, o programa foi líder de audiência no horário em Guarabira.

Entre as inúmeras intervenções sociais, dirigiu a UNIMED em Guarabira e foi prefeito de Mulungu (PB). São inúmeros os relatos de sua ação humanitária em favor dos habitantes de Guarabira e região. Gestantes, crianças, idosos, abastados ou desprovidos, foram muitos os socorridos pelas mãos de Geraldo Camilo.

Mas a sua escola foi estendida. Formou uma família de médicos entre filhas, genros e netos. “Minha família é uma verdadeira inflação de médicos”, brincava Dr Geraldo. Um belíssimo capítulo da história de Guarabira está reservado ao seu nome.

O corpo será cremado, conforme desejo dele.

Por Rafael San/ManchetePB"

Da Redação/Fato a Fato com MachetePB
Publicada em 28.10.2020

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.