Header Ads

Bolsonaro: Moro condicionou troca na Polícia Federal a vaga no Supremo

Em nota, Sergio Moro afirma que jamais condicionou eventual troca no comando da PF à indicação ao STF

Presidente Bolsonaro (Foto: Reprodução/Metrópoles)
João Pessoa (PB) - A Polícia Federal ouviu presencialmente o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no Palácio do Planalto. Por quase um ano, o presidente da República afirmou que gostaria de depor por escrito, mas mudou de ideia no início de outubro, no mesmo dia em que o Supremo Tribunal Federal (STF) iria julgar essa possibilidade.

O inquérito, que apura se Bolsonaro teria tentado interferir na PF, foi aberto em abril do ano passado, após o ex-ministro da justiça Sergio Moro apontar que o presidente o pressionava para substituir o diretor-geral da corporação por um aliado.

Ao ser questionado pelo delegado Leopoldo Soares Lacerda, responsável pelo caso, Bolsonaro confirmou que, em meados de 2019, solicitou a Moro a troca do comando da PF e alegou que não havia qualquer insatisfação ou falta de confiança com o trabalho do então diretor-geral, Maurício Valeixo, mas apenas uma falta de interlocução.

Ele disse ainda que nunca teve intenção de obter informações privilegiadas, de interferir no trabalho da polícia judiciária ou de obter relatórios da Polícia Federal, e que a indicação de Alexandre Ramagem para o comando da PF foi aceita por Moro com a condição de que o ex-ministro tivesse uma indicação futura garantida ao STF.

Em nota, Sergio Moro afirma que jamais condicionou eventual troca no comando da PF à indicação ao STF, que não troca princípios por cargos, e que os motivos reais da substituição na Polícia Federal foram expostos pelo próprio presidente na reunião ministerial de 22 de abril de 2020.

Da CNN Brasil com PB Agora
Publicada por F@F em 08.11.2021

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.